Desemprego como enfrentar esse período difícil

Desemprego – como enfrentar esse período difícil

É sabido por todos que o Brasil passa por uma crise econômica que, segundo analistas do mercado, é uma das maiores da história do país.

Um dos efeitos mais perversos e visíveis da desaceleração da economia é o desemprego, sendo que o número de pessoas que perderam seus postos de trabalho já ultrapassa 12 milhões.

Ao falar sobre desemprego, a primeira coisa que nos vem à cabeça é a falta de dinheiro e, portanto, de uma fonte segura de renda que nos permita viver.

Afinal, sem emprego, como pagar o financiamento da casa recém-adquirida, a mensalidade da escola dos filhos, o plano de saúde e a comida que se põe à mesa?

No entanto, estar desempregado representa mais do que ficar sem uma fonte de renda, pois significa também perder um papel muito valorizado pela sociedade e que dá a sensação de segurança e pertencimento: o papel profissional.

Não é sem motivo que o desemprego é um dos mais relevantes fatores de estresse na vida de uma pessoa.

 

Desemprego como enfrentar esse período difícil

 

O que sente quem perde o emprego?

Impotência, raiva, medo, vergonha e sensação de vulnerabilidade, fracasso e inutilidade.

Como consequência, há diminuição da autoestima e da autoconfiança. Diante disso tudo, nada mais natural do que sentir angústia.

Há ainda a estranheza pela alteração da rotina diária, a falta das atividades ligadas ao trabalho (reuniões, cursos, treinamentos, viagens, almoços e jantares de negócios, etc.) e a perda das relações pessoais do ambiente profissional.

 

Quando a angústia ligada ao desemprego é patológica?

 

Como reagir?

Apesar das inúmeras dificuldades é possível buscar recursos internos e realizar ações externas para superar este período tão adverso.

É importante conservar o foco e, acima de tudo, manter robustas a autoestima e autoconfiança.

Para tanto:

  1. Aceite a realidade e não se culpe – aceitar o momento difícil do desemprego é o primeiro passo para superá-lo. Por isso, avalie os motivos de sua demissão, mas não se torture com culpa;
  2. Repense seu estilo de vida – o desemprego é temporário, mas com a crise fica mais difícil prever sua duração. Avalie despesas que podem ser reduzidas ou cortadas;
  3. Invista nas relações – não se isole e nem esconda a situação de sua família e amigos, pois eles podem lhe dar apoio e estímulo;
  4. Monte um plano de ação – a busca pela recolocação profissional exige tempo e organização para fazer contatos, pesquisar na internet, elaborar currículos e ir à entrevistas. Invista em networking (rede de contatos), que é hoje a melhor forma de se recolocar profissionalmente;
  5. Atualize-se – leia bastante para manter-se atualizado(a) e, se as condições financeiras permitirem, faça cursos de aperfeiçoamento profissional;
  6. Avalie a possibilidade de um processo de coaching – o processo auxilia na fixação de objetivos pessoais e profissionais, avaliação da forma de condução da carreira, melhoria de imagem, etc.;
  7. Seja flexível e aceite um trabalho temporário – uma contratação temporária pode ser a oportunidade para mostrar competências e um atalho para conseguir um posto permanente na empresa;
  8. Cuide-se – não negligencie as atividades físicas, a alimentação e o sono e aprenda técnicas de respiração e relaxamento. Mantenha seu lazer, mesmo que seja um passeio no parque com a família ou uma sessão de cinema em casa com os amigos;
  9. Seja um voluntário – fazer um trabalho voluntário demonstra solidariedade. É uma ação que faz bem para a pessoa, promove novos relacionamentos e é bem vista pelas empresas;
  10. Mantenha o otimismo – encare o futuro com esperança e esse momento difícil como uma oportunidade de superação e crescimento.

 

Desemprego como enfrentar esse período difícil

 

Quando a angústia ligada ao desemprego é patológica?

Para algumas pessoas a condição de desempregado é ainda mais difícil e estressante, pois para elas perder o emprego representa muito mais do que deixar de ganhar o seu sustento ou ficar temporariamente sem o seu papel profissional.

Todos nós desempenhamos diferentes papéis na vida: de pais, filhos, irmãos, cônjuges, amigos, membros da comunidade, trabalhadores, etc. É importante que os diferentes papéis estejam em equilíbrio.

Quanto alguém baseia o seu conceito de identidade no papel profissional, ocorre um desequilíbrio e a consequência da perda do emprego pode ser devastadora.

Nesse caso, perder o emprego* significa perder parte importante do conceito que a pessoa tem de si mesma, do papel que exerce no mundo e de como ela acha e sente que o mundo a vê.

Sua autoestima fica seriamente prejudicada. São frequentes casos de abuso de álcool e drogas, depressão e comportamentos autodestrutivos, inclusive suicídio.

– * – o mesmo pode ocorrer quando a pessoa se aposenta.

 

Desemprego como enfrentar esse período difícil

 

Existe tratamento?

Quando a angústia é patológica e ocorrendo depressão, abuso de álcool e drogas ou risco de suicídio, há indicação de tratamento medicamentoso e psicoterapia.

Na psicoterapia o indivíduo tem condições de se conscientizar das razões de ter supervalorizado seu papel profissional e, consequentemente, equilibrar os seus papéis sociais.

A psicoterapia pode te ajudar!

 

Desemprego

 

Leia também, nestes momentos difíceis sobre a Resiliência, capacidade de superar momentos difíceis, Otimismo, a qualidade de ver o copo meio cheio ou ainda Adaptação o Conformismo.

email

You may also like