Egoísmo - O que é?

Egoísmo – O que é?

Egoísmo (ego + ismo) é o hábito ou a atitude de uma pessoa colocar seus interesses, opiniões, desejos, necessidades em primeiro lugar, em detrimento (ou não) do ambiente e das demais pessoas com quem se relaciona.


Segundo o filósofo alemão Arthur Schopenhauer, o egoísmo é o motor fundamental no homem, o impulso ao bem-estar e à existência.

 

“O homem quer ficar totalmente livre das dores que também incluem a falta e a privação, quer a maior quantidade possível de bem-estar e todo o prazer de que for capaz. Tudo o que se opõe ao ímpeto do seu egoísmo provoca o seu mau humor, a sua ira e o seu ódio: ele tentará aniquilá-lo como a um inimigo. Quer possivelmente desfrutar de tudo e possuir tudo; mas, como isso é impossível, quer, pelo menos, dominar tudo:

“Tudo para mim e nada para os outros”

é o seu lema. O egoísmo é gigantesco: ele rege o mundo. “

 

Egoísmo infantil

Egoísmo O que é?

 

 

“Empreste o brinquedo ao seu amiguinho”, “Você só pensa em você! ” É muito feio ser egoísta!

 

Quem nunca ouviu ou falou frases como estas?

Desde pequenos aprendemos que ser egoísta é um comportamento condenável, digno de castigos variáveis, desde a bronca da mãe até a punição divina.

É verdade que na infância (até os 5 – 6 anos) o egocentrismo* e o egoísmo são claramente observáveis e necessitam de adequação e atenção dos pais.

A criança nesta fase acredita ser o centro do universo e que tudo gira em torno dela e para ela.

Zanga-se quando contrariada, acredita que todos estão ali para servi-la e que tudo ao seu redor lhe pertence, demonstrando atitudes egoístas de não querer dividir ou partilhar nada.

Se a criança não tiver bons exemplos de respeito aos outros e a paciência e dedicação amorosa de pais e educadores para ajudá-la na diferenciação constante do que pertence ou não a ela, as chances de tornar-se um adulto egoísta e com dificuldades relacionais são grandes.

Uma educação permissiva demais, incentivando o reinado infantil, mantem a fantasia de que todos estão no mundo aos seus serviços.

Essas intervenções feitas com firmeza e não com ameaças, aos poucos vão fazendo com que a criança se reconheça e aos demais.

Não se sente desrespeitada e não desrespeita e, com o passar dos anos, por meio das experiências, vai perceber que não dá para viver sozinha e aprende a compartilhar.

Porém, engana-se quem pensa que todo egoísta foi, necessariamente, uma criança mimada, que recebeu demais. Uma educação baseada em punições, ameaças e medos, onde a criança não é enxergada ou considerada, também pode gerar um adulto egoísta, na tentativa de receber algo que não teve.

* Egocentrismo e egoísmo são coisas diferentes.

O egoísta é aquele que não gosta de emprestar ou dividir nada. Já o egocêntrico quer ser o centro das atenções. Mas ele não é necessariamente egoísta – só não quer mesmo é dividir a atenção dos outros.

Egoísmo. Certo ou errado?

Egoísmo, O que é?
Todos aprendemos que ser egoísta não é correto, que devemos saber partilhar e dividir com quem precisa. Tudo certo, até certo ponto!

 

E quando dizemos NÃO quando de fato não estamos disponíveis num determinado momento?

Quando pensamos primeiro em nossas necessidades?

Quando colocamos os nossos interesses acima dos interesses das outras pessoas?

Quando não atendemos as expectativas e as projeções alheias? Será que estamos sendo egoístas?

 

Sim, segundo a definição de egoísmo, estamos!

Mas devemos fazer algumas considerações a respeito, pensando no egoísmo infantil e no egoísmo adulto.

O egoísmo pode e deve ser praticado de forma saudável, consciente, quando nos limitamos a doar apenas o que não nos causa ônus e sim gratificação.

O egoísmo “adulto” permite que fiquemos disponíveis quando existe amor e não exigência (exigência de dar para receber, para ser reconhecido ou para aliviar culpas), pois quem cuida em primeiro lugar de si mesmo, tem maiores chances em satisfazer-se e, portanto, sua expectativa em receber dos outros diminui.

Cuidar em primeiro lugar de si mesmo, não é sinônimo de desinteresse pelos demais. Uma pessoa obediente ou “boazinha” demais pode facilmente tornar-se carente e dependente dos afetos alheios.

Alguém terá que atendê-la em seus sonhos e necessidades!

O egoísmo infantil nos submete! Queremos sempre tudo para nós (atenções, pessoas, objetos), por termos recebido de mais ou de menos em nossa formação.

Também ocasiona danos às relações, pois as expectativas e as exigências são constantes.

Nem lá, nem cá. Equilíbrio é a palavra-chave.

Egoísmo, O que é?

 

Praticar o egoísmo de forma adulta e consciente nos torna mais aptos a relações saudáveis, pois supridos por nós mesmos, não estabelecemos relacionamentos endividados, não sufocamos nem somos sufocados.

Passamos a ser protagonistas de nossas vidas, nos colocando em primeiro lugar, respeitando nossos limites saudáveis.

O que é bem diferente da postura infantil onde

 

 

“É tudo meu” ou “É tudo para mim”.

 

Claro que sempre são bem-vindos os atos de altruísmo onde manifestamos nossa preocupação e interesse com o próximo e damos um significado mais amplo às nossas vidas, mas desde que certos limites não sejam ultrapassados.

Resumindo:

Tanto a pessoa egoísta, que só enxerga o próprio umbigo, quanto a pessoa “boazinha “ demais, que se anula em prol dos outros e não reconhece as suas necessidades e interesses, carecem de equilíbrio. Nesses casos,

A psicoterapia pode ajudar!

 

O que é egoísmo?

 

Leia em nosso blog artigos relacionados, como Justa Medida, O Caminho do Meio e Narcisismo, Será que meu marido é narcisista? E ainda em nossas Pílulas, temas como Tolerância, Qual é o seu limite?, Otimismo, a qualidade de ver o copo meio cheio e Gratidão, um sentimento a ser cultivado.

 

 

 

email

You may also like